terça-feira, 25 de agosto de 2015

Inscrições abertas para a Pós-graduação em Educação de Jovens e Adultos no IFRJ - Nilópolis.

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

FONTE:  www.ifrj.edu.br

O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), no uso de suas atribuições legais, torna público o presente Edital contendo as normas referentes ao Processo Seletivo para o Programa de Pós-graduação Lato Sensu em Educação de Jovens e Adultos no Campus Nilópolis, do IFRJ.
O processo seletivo de que trata este Edital visa selecionar candidatos para ingresso no Curso de Pósgraduação Lato Sensu – Especialização em Educação de Jovens e Adultos para o ano de 2016. 1.2 O Curso tem a duração prevista de um ano e seis meses, incluindo o tempo de elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), prorrogável, a critério do Colegiado do Curso, por até seis meses. A sua carga horária é de 360 horas.
As inscrições no Processo Seletivo estarão abertas no período compreendido entre o dia 24 de agosto ao dia 05 de outubro de 2015, e deverão ser realizadas, exclusivamente, via Internet, de acordo com os seguintes procedimentos: I – acessar o endereço eletrônico www.ifrj.edu.br, na seção de Concursos e Processos Seletivos / Ensino de Pós Graduação / Pós-Graduação Lato Sensu, no período de inscrição e seguir as orientações ali contidas;
A taxa de inscrição do processo seletivo é de R$70,00 (setenta) reais, devendo ser paga em qualquer agência do Banco do Brasil, através da Guia do Recolhimento da União – GRU, disponível no endereço eletrônico: https://consulta.tesouro.fazenda.gov.br/gru/gru_simples.asp.
O IFRJ oferece 15 (quinze) vagas para o curso, que não possui mensalidade nem taxa de matrícula.
Será concedida isenção da taxa de inscrição ao professor das redes pública (federal, estadual ou municipal) e particular de ensino, no período compreendido entre o dia 24 de agosto ao dia 04 de setembro de 2015.

NFORMAÇÕES SOBRE O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO
Nome: ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
Público-alvo: Portadores de diploma de graduação ou declaração de colação de grau emitida pela instituição de ensino superior, explicitada a data da colação, obtido em cursos reconhecidos pelo MEC, em especial, profissionais que atuem ou desejem atuar na Educação de Jovens e Adultos. 
Horários e dias do curso: Terças-feiras, de 13h às 18h; sábados, de 7h às 12h.
Campus: Nilópolis

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Cursos gratuitos na FAETEC com inscrições abertas até 15 de julho.

São 90 mil vagas em cursos profissionalizantes

As oportunidades desta 3ª rodada do ano oferecem mais de 150 opções de cursos de qualificação profissional
O governo do estado do Rio, por meio da Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC), oferece oportunidades de qualificação profissional. As inscrições que começaram nesta segunda-feira, dia 29, e seguem até o próximo dia 15, podem ser feitas pelo site www.faetec.rj.gov.br, no link: “Inscrições para os cursos de Qualificação Profissional”. Ao todo, são 90 mil vagas entre mais de 150 cursos gratuitos diferentes para todo o estado.
Para o presidente da Fundação, Wagner Victer, os cursos voltados para o ambiente empresarial fazem com que o aluno desenvolva habilidades alinhadas com as necessidades atuais do mundo corporativo e do empreendedorismo, inclusive já no conceito de parcerias com o Comitê Rio 2016, que em acordo firmado irá contratar no futuro, profissionais oriundos dos cursos da FAETEC.
– Essas 90 mil vagas nos cursos profissionalizantes da FAETEC cumprem o objetivo de levar formação de qualidade à população do Rio de Janeiro, uma vez que são planejadas de acordo com as demandas do mercado e da vocação regional. O nosso desejo é que os candidatos sintam-se contemplados com essas oportunidades – destaca o presidente.
Entre os cursos, destaque para os de Agente de Informações Turística, Assistente de Produção Audiovisual, Auxiliar Administrativo, Auxiliar Financeiro, Camareira em Meios de Hospedagem, Cozinheiro, Encanador Instalador Predial, Idiomas (Espanhol, Francês e Inglês), Montador e Reparador de Computadores, Soldador, Pintor Industrial, Inspetor de Solda, Mecânico de Automóveis, de Motocicletas e Autocad 3D. A lista completa pode ser acessada na página oficial da FAETEC na internet.
Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, Gustavo Tutuca, o momento é de aposta na formação de mão de obra para atender os diversos setores da economia Fluminense.
– Os cursos gratuitos da FAETEC são uma oportunidade de mudança para muitas pessoas que desejam prosperar através da qualificação. Temos um dos menores índices de desemprego na nossa região metropolitana, mas sabemos que o país passa por uma crise. Tenho convicção de que a educação faz a diferença na empregabilidade e que os cursos da FAETEC são reconhecidos pelo mercado, por sua excelência – ressalta o secretário.
Para se candidatar é preciso ter o Ensino Fundamental completo e, dependendo do curso, a idade mínima varia de 14 a 18 anos. Os cursos têm duração de 10 e 20 semanas.
O sorteio público das vagas será realizado no dia 17 do próximo mês, a partir das 10 horas, e a listagem completa publicada em seguida no site da instituição. Após a publicação, os candidatos sorteados terão entre os dias 18 e 23 de julho para efetivar a matrícula. As aulas começam a partir do dia 3 de agosto.  
Serviço:
Inscrições: até 15 de julho
Resultado do sorteio: 17 de julho
Matrícula: 18 a 23 de julho
Matrícula para vagas ociosas: 24 a 29 de julho
Início das aulas: 3 de agosto

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Concurso Público Prefeitura de Araruama 2015.

Estão abertas as inscrições para o concurso da prefeitura de Araruama - RJ. São 1827 vagas em diversos cargos de níveis fundamental, médio e superior com saláros entre R$ 788,00 e R$ 1536,89.
As inscrições podem ser feitas no site da Funcab até 30 de junho. As provas poderão ser realizadas nas cidades de Araruama, Cabo Frio ou Niterói a gosto do candidato que deve indicar no to da inscrição.
Há vagas para motorista, monitor de transporte escolar. telefonista, guarda civil, oficial administrativo, orientadores e professores.
A taxa varia conforme o cargo e a escolaridade exigida e custa R$ 60 (Ens. Fund), R$ 70 (Médio) e R$ 90 (Superior)
Para acessa o site da organizadora e realizar a inscrição, visite




Mais uma convocação de professores da Prefeitura de Nova Iguaçu - Concurso 2012.

A prefeitura de Nova Iguaçu convocou na semana passada mais uma leva de docentes aprovados no concurso de 03 de junho de 2012. No Edital nº 018/2015 constam 182 nomes para cobrir as carências e desistências da última convocação.
O D.O do dia 04/06/2015 pode ser acessado através do site http://pt.calameo.com/read/0025584356eb4c2df5aa
Os professores devem se apresentar o quanto antes, pois isso interfere no agendamento da perícia e pode acarretar em alterações na data da nomeação e da posse. O endereço da SEMAD é Rua Dr Barros Jr, nº 385 e os professores devem se apresentar entre 09h e 16h com os seguintes documentos e xerox:
RG.
CPF.
Título (e compr. de quitação).
IR (declaração completa).
CTPS
PIS/PASEP (cartão Cidadão/Contracheque)
Foto 3x4
Reservista (para homens)
Compr. Residência

sexta-feira, 24 de abril de 2015

SEEDUC-RJ Convocação de Professores Concurso 2013.2

Professores concurseiros aprovados na SEEDUC 2013.2 devem conferir essa convocação mais recente.

A Secretaria de Estado de Educação publicou, no Diário Oficial desta sexta-feira (24/04), a convocação de 07 candidatos aprovados no concurso realizado em 2013.2.

Os candidatos devem comparecer ao local designado, de acordo com a escala de convocação, munidos de documento de identidade, CPF, Pis/Pasep, Título de Eleitor, Carteira de Trabalho, Certificado de Reservista, diploma de conclusão, histórico escolar e comprovante de residência.

Confira, abaixo, a página do Diário Oficial:
- Página 23

Fonte: http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?article-id=2409973


SEEDUC Contrato Temporário 2015 com inscrições abertas na rede estadual do RJ..


Estão abertas as inscrições para contrato temporário para professor da Rede Estadual do RJ em 2015. Os interessados deverão entrar no site da SEEDUC/RJ e preencher o cadastro na FICHA DE CADASTRO (CLIQUE AQUI).


São 2.105 vagas aprovadas pelo governador no D.O do dia 22/04. Destas,
80 são para PII (Professor do Primeiro Segmento do Ensino Fundamental - 1º ao 5º anos). Para preencher essas vagas é necessário possuir curso de Ensino Médio Normal ou Licenciatura Plena em Pedagogia.

2025 para PI (Segundo Segmento - 6º ao 9º anos; Ensino Médio e Educação Profissional), das quais, 1.425 são para carga horária semanal de 16h e 600 para carga horária de 30h. Para essas vagas são exigidas licenciatura plena nas áreas pretendidas, além de registro nas entidades de classe, quando exigido.

Os contratos terão duração de 2 anos podendo serem prorrogados por mais um. Até 04 de maio a SEEDUC publicará disposições complementares e data final.
Fonte: Blog www.rachelrfc.com



terça-feira, 21 de abril de 2015

Prefeitura de Nova Iguaçu nomeia professores convocados em 2015, aprovados no concurso 2012.

A prefeitura de Nova Iguaçu nomeou, nessa segunda feira, dia 20 de abril, mais uma leva de docentes convocados no início do ano (concurso 2012). A demora se deu em função dos prazos longos das perícias. A lista de professores nomeados está no D.O de 20 abr. 2015, publicada no Jornal Z.M Notícias e no site camaleo.com:  <http://pt.calameo.com/read/0025584352c5c318cb916>


segunda-feira, 13 de abril de 2015

Herói: um simples humano ou um humano simples: as contribuições de Freire e do Filme ‘Quando Tudo Começa’ na promoção da responsabilidade docente.

Herói: um simples humano ou um humano simples: as contribuições de Freire e do Filme ‘Quando Tudo Começa’ na promoção da responsabilidade docente.
Edson Borges Filadelfo[1]

Os verdadeiros heróis não se reconhecem como tal, nem buscam tal reconhecimento. Na verdade não existem heróis e sim, verdadeiros humanos, ou melhor, humanos verdadeiros que em sua simplicidade fazem a diferença a partir das escolhas certas, das atitudes certas e da postura certa nas horas necessárias. E quando isso ocorre na escola e, em especial, quando parte da liderança da escola (a gestão), as coisas podem ter conseqüências mais profundas do que se espera. ‘Quando tudo começa’, filme francês que aborda o cotidiano de uma escola de educação infantil de uma cidade periférica da França na década de 1990 fase de consolidação do neoliberalismo a partir da experiência de um diretor engajado com as necessidades estruturais para o aprendizado dos alunos, inclusive extrapolando os muros da escola, contribui para a formação humana do educador. O torna mais sensível aos problemas cotidianos que são muitas vezes comuns ás escolas periféricas, até mesmo em países desenvolvidos.
A personagem principal é um educador diferente dos demais apenas por não desistir de seus princípios fundamentais, não negar sua responsabilidade docente, enfrentando dilemas e problemas dos mais variados possíveis e se vendo até mesmo dentro do âmbito familiar envolvido com questões de ordem social e econômica, obrigando-se a mediar conflitos na esfera política quando a educação deixa de ser prioridade no estado francês, marcada a muito por uma postura geralmente voltada ao social, até mesmo paternalista. A contrinuição de Paulo Freira nesse sentido é grande quando destaca a “necessidade de uma intervenção competente e democrática do educador nas situações dramáticas em que os grupos populares, demitidos da vida, estão como se estivessem perdido o seu endereço no mundo” (FREIRE, 2001, p. 27).
O diretor, amante da literatura, não deixa que os desafios impostos cessem sua produção artística, sua responsabilidade enquanto diretor e professor nem mesmo seu afeto e envolvimento amoroso, assim como sua solidariedade para com os alunos, pais, professores e demais sujeitos envolvidos no cotidiano da escola. Mais uma vez recorremos a Freire para quando o mesmo diz “Sei que as coisa podem até piorar, mas sei que é possível intervir para melhorá-las”. (FREIRE, 1996, P.22). De todo modo, ele – o diretor - até pensa em desistir em uma certa altura, porém, os frutos de sua atuação convergem em um apoio mútuo de sua equipe e de todos que com ele convivem, o fortalecendo em um ano, que o mesmo considerou atípico, mas que cada vez mais parece via de regra.
Embora a situação pareça de redução da importância o papel do educador, em todas as modalidades de ensino, inclusive na EJA, devido ao fato dos alunos serem em sua maioria já adultos e com problemas mais complexos, não pode acabar no educador a alegria e a coragem para continuar a praticar a educação em sua totalidade. Assim sendo, a esperança, cujo ditado popular diz que é ‘a última que morre’, na verdade é a geradora das outras condições humanas para o exercício da docência. Mais uma vez recorremos a Paulo Freire que insiste na “a esperança  de que professores e alunos, juntos,  podemos  aprender, ensinar, inquietar-nos, produzir e juntos  igualmente  resistir aos obstáculos  à nossa alegria”. (FREIRE, 1996, P.29).

Referencias Bibliográficas

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25ª ed. São Paulo: Paz e Terra. 1996.
FREIRE, Paulo. Política e Educação: ensaios. 23ª ed. São Paulo: Cortez. 2001.




[1] Bacharel e Licenciado em Geografia pela UERJ. Pós-Graduando em Educação de Jovens e Adultos pelo IFRJ Nilópolis. Professor da Rede Estadual de Educação do RJ: SEEDUC.

Resenha do Artigo "Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA" de Inês Barbosa de Oliveira.



RESENHA

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educar n. 29. Curitiba: Editora UFPR, 2007. p. 83-100.
                                                          Edson Borges Filadelfo [1]
Objetivando promover uma reflexão a cerca da organização curricular e as práticas pedagógicas na Educação de Jovens e Adultos – EJA, o artigo “Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA” de Inês Barbosa de Oliveira é estruturado em quatro partes: abordagem histórica, análise de relatos de situações vivenciadas pela autora e de terceiros próximos a ela, aprofundamento teórico e análise de propostas curriculares com proposição de debates com vistas à adequação dos currículos orientados à EJA. A autora, professora adjunta de Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ, membro do GT Currículo da ANPEd e que também possui muitos trabalhos publicados com o tema “cotidiano escolar”, atua em um Campus Universitário que abriga o Fórum Estadual de EJA do Rio de Janeiro e, dessa forma, está próxima dos sujeitos: docentes , discentes e gestões que debatem a educação de jovens e adultos.
Na análise histórica da EJA no Brasil, o texto aborda as concepções compensatória, o “Método Paulo Freire” e ações governamentais pré e pós golpe militar de 1964 além do esforço dos educadores atuais em ampliar a noção das pessoas a quem a EJA se destina.
Entre os principais problemas que se apresentam nos espaços-tempos em que a Eja acontece, trabalhados do artigo, a autora destaca a infantilização dos educandos e a inadequação de conteúdos e modos de abordá-los, bem como de linguagem.
Para pensar em novas práticas pedagógicas e em currículos adequados à modalidade, professora Inês propõe o conceito de tessitura do conhecimento em redes, segundo a qual os processos de ensino-aprendizagem não podem controlar o conhecimento que está relacionado às experiências e à inserção dos sujeitos no mundo. Ainda sob essa ótica, citando outro trabalho seu anterior, ressalta que há a possibilidade da atribuição de significado “por parte daqueles que aprendem, às informações recebidas do exterior — da escola, da televisão, dos amigos, da família etc.” (OLIVEIRA 2003, apud OLIVEIRA, 2007, p.87). A não observação desse pressuposto culminaria na indevida relação do currículo e da metodologia comumente utilizadas na EJA onde “idade e vivências social e cultural dos educandos são ignoradas, mantendo-se nestas propostas a lógica infantil dos currículos destinados às crianças que freqüentam a escola regular” (Op cit, p. 88). Seria necessário, portanto, repensar critérios de organização de alunos e conteúdos, bem como a avaliação e, para tanto, espaços como o da escola e outros ambientes propícios à discussão precisam ser potencializados.

A leitura do trabalho proposto pela professora, como ela mesma ressalta, não fornece aos interessados na temática, especialmente aos docentes que atuam em classes de EJA, ‘receitas’ ou ‘soluções mágicas’ para os problemas enfrentados nesses espaços-tempos. Todavia os aproxima da reflexão que é necessária para a promoção de mudanças de concepção e de prática, sobretudo no ambiente de sala de aula, muitas vezes o último a ver os resultados do debate travado em academias, sala de professores ou reuniões pedagógicas. Desse modo, o valor do texto reside fundamentalmente em seu papel questionador das máximas aceitas como base das propostas curriculares e das práticas pedagógicas propostas e adotadas em EJA. Sendo assim, visa instigar os sujeitos envolvidos na temática a buscar o novo a partir do reconhecimento dos alunos também como tal.

[1] Bacharel e Licenciado em Geografia pela UERJ. Pós-Graduando em Educação de Jovens e Adultos pelo IFRJ Nilópolis. Professor da Rede Estadual de Educação do RJ: SEEDUC.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Desescrevendo o Escritor

                                                  Por Edson Borges Filadelfo Geoeducador
Em homenagem ao Dia do Escritor - 25/07


Não pense que escritor não é egoísta
Antes de publicar seus escritos ele os observa sozinho
A obra toda sua, só sua, sua cria, pedaço de si.

Não pense que escritor não é interesseiro
Antes de doar suas palavras ele as busca nos livros
As palavras alheias rouba, ajunta, amontoa, acumula pra si.

Escritor não é paciente, é veemente
Joga suas ânsias nas frases, nos versos, se livra da angústia
Nem sempre ciente do impacto,lança, atira, projeta.

Escritor não inventa histórias, as copia
Imita sonhos, desejos, reproduz o que a vida tenta esconder
Nem deixa passar o banal, o captura, escraviza e perpetua.

Há algo de errado com as palavras, caladas, paradas
O escritor as faz gritar, correr, saltar, misturar
Põe cada uma no seu lugar, em todo lugar.

Há algo estranho nos olhos do escritor, ouvidos e mãos
Vê o que ninguém viu, ouve onde só há o barulho
Desescreve tudo só para escrever de novo.